COMO ARMAZENAR O LEITE MATERNO

COMO ARMAZENAR O LEITE MATERNO – Existem ocasiões em que você pode precisar saber como armazenar o leite materno durante o período em que estiver amamentando. Ou porque você está com muito líquido em seus peitos, ou porque o bebê não consegue sugar o leite, entre outras situações. Por isso, veja todas as dicas para saber como armazenar o leite materno com segurança e qualidade.

COMO ARMAZENAR O LEITE MATERNO

1. Para não estragar o leite materno que você extrair para o seu bebê tomar mais tarde é preciso armazenar com cuidado. Além dos recipientes que vem junto com as bombinhas ou ordenhadeiras você pode usar mamadeiras comuns esterilizadas, sendo importante que elas possuam uma tampa que vede bem. Outros potes de vidro esterilizados com tampa de plástico também servem.

2. Se você não consegue tirar muito do líquido de uma única vez para guardar leite materno, você pode tirar mais depois e juntar com o já tirado para que seja suficiente para uma mamada do bebê.

3. Parta esterilizar o recipiente para guardar leite materno você deve fervê-lo por 15 minutos. Depois de esquentar o recipiente, ele deve secar naturalmente. Você pode deixá-lo de boca para baixo em cima de uma toalha, ou dentro de um pote maior, fechado. Além disso, coloque o leite materno no pote somente depois que ele esteja frio.

4. O líquido para amamentar o bebê pode ficar em temperatura ambiente por no máximo duas horas. Se você der o leite para o seu bebê depois desse período o melhor é colocar na geladeira ou mesmo congelá-lo, pois corre o risco de micróbios desenvolverem-se no leite e fazerem mal ao seu filho.

5. Você pode colocar o leite na geladeira apenas se ele for consumido pelo bebê em até 12 horas. Se você amamentar o seu filho após esse período, o mais indicado é congelar. Na hora de guardar na geladeira use a prateleira de cima, que é a mais fria, e nunca guarde o recipiente com o leite na porta, muito menos o deixe próximo de alimentos crus, como verduras e carnes.

6. No congelador o leite pode ficar até 15 dias. Quando você colocar o leite no recipiente não encha o vidro, deixe dois centímetros de espaço, pois o líquido incha quando congela. Já para descongelar, o melhor é colocar o pote congelado dentro de um pote maior com água morna. O descongelamento no micro-ondas não é aconselhável, porque existe a possibilidade de algumas propriedades do leite se perderem no processo de aquecimento.

BRINCADEIRAS PARA DESENVOLVER A CAPACIDADE DE RACIOCÍNIO DO BEBÊ

Desde os primeiros meses de vida do seu filho já é possível estimular o cérebro do bebê. Quando ele tiver cinco meses, uma das brincadeiras para desenvolver a capacidade de raciocínio do bebê consiste em cobrir uma lanterna com um pedaço de plástico colorido, acendê-la e fazer movimentos na parede. Além dele se divertir com as projeções na parede, você deve falar sobre as características da luz, se é azul, verde, amarela, vermelha e dizer que é brilhante, bonita, divertida, etc.

Esse jogo infantil vai permitir ao bebê criar relações no cérebro, ativando a visão e os neurônios ligados aos movimentos. De dia, você pode fazer outra brincadeira para bebê envolvendo cores. Faça cartões coloridos com cartolina e brinque de forma semelhante, pois nessa fase ele tem um interesse especial pelas cores, o que faz parte do desenvolvimento da sua inteligência.

BRINCADEIRAS PARA DESENVOLVER A CAPACIDADE DE RACIOCÍNIO DO BEBÊ

Brincadeiras entre 6 e 9 meses

Quando o seu filho tiver entre 6 e 9 meses, as brincadeiras para desenvolver a capacidade de raciocínio do bebê já podem ser outras, inclusive, envolvendo músicas. As experiências musicais aprimoram a aptidão futura de raciocínio e fazem a consciência auditiva do bebê crescer, bem como expandir as ligações cerebrais entre os neurônios.Para tanto, você pode esconder um brinquedo que faça som e depois incitar o bebê a procurá-lo por meio do barulho que emite.

Nessa brincadeira para bebê, você deve mostrar entusiasmo e parabenizá-lo quando ele achar o brinquedo, podendo repetir o jogo infantil em outras partes da casa, sempre perguntando a ele “onde está o brinquedo?”. Assim, ele vai em busca e quando o bebê já estiver engatinhando, você pode aumentar o nível de dificuldade para encontrar o brinquedo, colocando embaixo de uma almofada, por exemplo.

Mais brincadeiras educativas

Para desenvolver a capacidade de raciocínio do seu filho, as brincadeiras que envolvem o tato também são importantes. Por isso, uma dica de jogo é você dizer uma parte do corpo e fazer com que ele coloque a sua mão na parte do seu corpo correspondente. Depois, você inverte a brincadeira colocando a sua mão no corpo do seu filho, referente à parte do corpo que você falou.

As experiências táteis são outras maneiras de estimular o cérebro do bebê e o conhecimento do seu corpo. Esses jogos infantis servem como um tratamento de neuroterapia, uma técnica que consiste em realizar uma espécie de ginástica para o cérebro. A tática é eficaz porque colabora para o processo de aprendizagem ao permitir a criação de novas conexões cerebrais.

COMO ESCOLHER A CADEIRA DE ALIMENTAÇÃO DO BEBÊ

COMO ESCOLHER A CADEIRA DE ALIMENTAÇÃO DO BEBÊ

Assim como todos os objetos que envolvem o dia-a-dia de um bebê, o local em que ele vai se acomodar para comer deve ser escolhido com muita atenção, observando algumas características essenciais para a sua segurança. Sendo assim, você deve saber como escolher a cadeira de alimentação do bebê.

Confira as dicas de como escolher a cadeira de alimentação do bebê

O primeiro passo de como escolher a cadeira de alimentação do bebê consiste em avaliar como é o cinto de segurança do objeto, pois como este costuma ser alto, o cinto vai evitar que o seu filho caia. Em geral, modelo de cinco pontos é o mais indicado.

Outro ponto importante do também chamado caderote ou cadeirão é verificar se ele possui retentor entre pernas, característica que torna a cadeira mais segura, pois esse item evita que o bebê escorregue por baixo da bandeja. Outro atributo a ser avaliado é a existência de trava de segurança, já que é esse mecanismo que não vai deixar que a cadeira se feche, o que pode machucar o seu filho.

Também é importante avaliar se o cadeirão tem rodízio nos pés ou antiderrapantes. Com essa característica, não apenas fica mais fácil arrastá-lo pela casa no caso de ter o rodízio, como quando você quer evitar que ele escorregue, a partir do mecanismo antiderrapante.

Além das qualidades que se referem à segurança, é preciso ainda avaliar o conforto do caderote para o bebê. Existem modelos com cobertura acolchoada, que é macia e fofa, sendo bastante indicado para todas as crianças pequenas.

Você pode ainda escolher uma cadeira de alimentação que seja fácil de limpar, dando preferência para as fabricadas com material impermeável. E mais: se as partes que mais sujam puderem ser retiradas, vai facilitar a vida dos papais e mamães. Outra dica é escolher um modelo que possua menos detalhes, a fim de evitar que atrapalhem na hora da limpeza.

Na hora de escolher o cadeirão, você também deve verificar se ele possui ajustes de altura, o que vai facilitar muito o aprendizado do seu filho em se alimentar sozinho. Embora pareçam menos importantes, existem outros aspectos para levar em consideração, como o tamanho do objeto, que não apenas precisa ficar bem assentado junto à mesa como ter as dimensões ideais para ser armazenado em sua casa.

Também avalie o custo benefício, visto que alguns modelos podem ser mais caros por terem funções a mais, mas que não são necessariamente essenciais. Se você quer gastar o suficiente para adquirir um produto de qualidade e seguro, basta escolher uma marca confiável que tenha os requisitos necessários.

Mesmo uma cadeirinha compacta, como as que são acopladas em cadeiras ou mesas, pode ser eficiente, desde que seja segura. Por fim, certifique-se de que a cadeira de alimentação possui o selo do Inmetro, o que garante que o produto foi vistoriado pelo órgão regulador.

COMPRAR ROUPAS DE BEBÊ IMPORTADAS

COMPRAR ROUPAS DE BEBÊ IMPORTADAS

Na hora de montar o enxoval do filho que está para chegar é possível adquirir roupas até mesmo de outros países. Muitas vezes, comprar roupas de bebê importadas pode sair mais barato do que adquiri-las em lojas do país. De quebra, pode-se vestir o seu pimpolho com algumas das mais famosas grifes.

Hoje em dia, é possível encontrar vestuário infantil das marcas Tommy Hilfiger, Calvin Klein e Ralph Lauren, entre outras. Mesmo essas peças de marca saem muito em conta quando são adquiridas no exterior. Se você está programando uma viagem para outro país, como Estados Unidos, poderá aproveitá-la também para comprar o enxoval.

No entanto, mesmo pela internet é possível comprar roupas de bebê por preços muito baixos. Para tato, é preciso ter todos os cuidados que uma importação exige, no entanto, é bastante simples, já que muitas pessoas atualmente estão adquirindo os mais variados produtos pelas lojas virtuais.

É importante saber que compras até 50 dólares não são taxadas, sendo que no valor entra o frete também. Porém, isso vale apenas se quem enviar a encomenda for uma pessoa física, sendo que existem lojas virtuais que fazem isso.

Mas se você tem alguma amiga que mora em um país onde as roupas infantis estão baratas é possível pedir que ela compre para você e envie pelos Correios.

Mais dicas de comprar roupas de bebê importadas

Caso a compra seja diretamente pela loja virtual, a forma mais desburocratizada de comprar do exterior é através do serviço de importação dos Correios, o Importa Fácil. Vale dizer ainda que mesmo tendo que pagar as taxas aduaneiras, muitas vezes, continua sendo vantajoso comprar do exterior.

Países como a China, além dos Estados Unidos e outros oferecem produtos extremamente mais baratos do que os praticados no comércio nacional. Já quem busca roupas infantis importadas de marca por preços vantajosos encontra ainda lojas especializadas para esse público.

Nesse caso, não é preciso importar, pois a própria loja virtual faz isso, o que confere mais praticidade, ainda mais se os pais deixaram para adquirir os produtos em cima da hora. Mas quem está disposto a importar do exterior pode economizar mais ainda.

No entanto, quando se faz uso do Importa Fácil é preciso saber que a encomenda pode demorar a chegar mais do que o programado, com a vantagem de sair mais barato porque não é cobrado o frete. Além disso, é possível em uma mesma comprar escolher roupas infantis e outros produtos, como acessórios para o enxoval do bebê e até itens para os pais, conforme a loja.

No caso de ser cobrado o frete, é melhor adquirir um maior volume de produtos para sair mais em conta. Embora as opções sejam variadas, é essencial optar por um e-commerce de confiança, que seja bem conhecido e usado por outros consumidores.

O QUE FAZER BRUXISMO NA INFÂNCIA

O QUE FAZER BRUXISMO NA INFÂNCIA

Se o seu filho está apresentando desgaste dos dentes ele pode estar com um tipo de distúrbio do sono. Dessa forma, é importante que os pais saibam como identificar o problema e saber o que fazer bruxismo na infância.

Essa desordem funcional se caracteriza pelo ranger dos dentes, sendo que nem sempre é fácil de ser percebida. Outros sinais são problemas na gengiva/mandíbula, dores de ouvido, na nuca ou na cabeça.

Além disso, o bruxismo em crianças é mais comum entre os três e seis anos de idade e pode estar associado a problemas respiratórios como alergias, rinite e outros, os quais obrigam a pessoa a dormir de boca aberta.

A criança que sofre do problema, como ocorre com os adultos, dificilmente consegue identificar pelo que passa ao longo da noite. Já os pais podem achar que os dentes de seus filhos estão doendo apenas porque estão moles e vão cair.

Por isso, é indicado que o seu filho seja levado a um dentista odontopediatra, que poderá diagnosticar o bruxismo. Se o problema for identificado de forma precoce é possível evitar as possíveis complicações do quadro.

Os pequenos com bruxismo podem ainda apresentar má posição dos dentes ou desarmonia entre os arcos dentários. Essas falhas provocam o apertar e ranger dos dentes, já que o pequeno fica à procura uma posição, para os seus dentes, mais confortável.

Mais dicas sobre o que fazer bruxismo na infância

Em crianças, a desordem está em muitos casos associada a problemas emocionais e psicológicos, principalmente, relacionados ao estresse. Isso pode ocorrer nos pequenos que estão passando por mudanças em sua vida, mesmo que sejam situações menos complicadas, como provas ou mudança de escola.

Porém, pode indicar casos mais complexos, como divórcio dos pais, bullying, hiperatividade e até mesmo distúrbios neurológicos, como o autismo. Dessa forma, o que fazer bruxismo na infância consiste em tratar as consequências do problema nos dentes, restaurando-os ou colocando aparelhos dentários.

No entanto, é preciso tratar também as causas emocionais quando elas estiverem associadas à origem do bruxismo. Nesse sentido, técnicas de relaxamento para amenizar o estresse são indicadas, bem como a prática de esportes. Em casos mais graves pode ser preciso o acompanhamento de um psicólogo.

O quadro pode aparecer também em crianças que têm uma agenda muito cheia. Embora seja importante aprender a ter responsabilidades, a infância deve ser um momento em que a criança tenha tempo suficiente para brincar.

A situação complica quando ela se sente muito cobrada, tanto por professores quanto por pais. A autocobrança em crianças com bruxismo também é comum. Além disso, fatores que atrapalham o sono também podem fazer a criança ranger os dentes, como dormir com a TV ligada, com muito barulho ou com as luzes acessas.

COMO ESCOLHER O SLING PARA CARREGAR O BEBÊ

COMO ESCOLHER O SLING PARA CARREGAR O BEBÊ

A relação entre os papais e mamães com os seus bebês ajuda a eles se conectarem, tornando até mesmo o desenvolvimento da criança mais saudável. Por isso, você já se perguntou sobre o sling para carregar o bebê? Já que o acessório é um jeito prático de manter literalmente o contato entre pais e filhos.

Além disso, dar colo ao recém-nascido pelo máximo de tempo possível oferece uma série de benefícios. Estudos já comprovaram que o colo dos pais tem ajudado, inclusive, a diminuir o tempo em que alguns bebês ficam na incubadora. Até o Ministério da Saúde já listou as vantagens de usar o sling, também conhecido como método canguru.

O acessório fortalece o vínculo mãe-filho e também pai-filho, já que os homens também podem e devem usar o sling. A técnica de carregar o bebê no colo colabora para o desenvolvimento neurocomportamental e psico-afetivo do recém-nascido, inclusive, nos casos de baixo peso e que nasçam prematuros.

Também favorece o aleitamento materno e a estimulação sensorial adequada, além de reduzir o risco de infecção hospitalar. Outras vantagens de carregar o bebê no colo é a diminuição do estresse e a dor que os bebês podem sofrer, além de oferecer aos pais maior controle quando pegam a criança no colo.

Dicas de como usar o sling para carregar o bebê

Mas você sabe como usar o sling? Ele também recebe o nome de facilitador de colo, pois é isso mesmo o que acontece, permite que pais e mães possam ficar com o seu filho no colo por mais tempo. Há também modelos variados, sendo que alguns deles são:sling de argolas, wrapsling e pouchsling.

Embora seja muito eficiente e prático, é preciso alguns cuidados para que seja usado de forma correta. Vale lembrar ainda que o acessório costuma suportar crianças com até 20 quilos. O sling consiste em um pedaço de tecido, sendo que uma de suas versões conta com duas argolas, uma em cada ponta, com as quais se pode amarrar o tecido de diversas formas em torno do tórax.

Pesquisas mostram, ainda, que os bebês que são carregados pelo método canguru choram menos, são mais saudáveis, sentem-se mais seguros física e emocionalmente, ganham mais rapidamente independência, dormem melhor, aprendem mais e, por isso, tudo se tornam mais felizes. Os pais também têm benefícios ao usar o sling.

Além de ser mais fácil de carregar o seu bebê, você consegue se comunicar melhor com ele e os pais se sentem mais seguros e confiantes. O acessório também é conveniente, facilitado o dia a dia dos pais na hora de se locomoverem com o seu bebê. Já para as mães é possível amamentar de forma discreta o seu filho em qualquer lugar.

COMPRAR ROUPAS DE BEBÊ BARATAS

COMPRAR ROUPAS DE BEBÊ BARATAS

Quem deseja manter o seu filho sempre bem vestido, mas não quer gastar muito encontra diferentes opções de comprar roupas de bebê baratas. Isso é também muito inteligente, uma vez que os trajes costumam durar bem pouco quando as crianças são pequenas.

Assim, as roupinhas nem chegam ao ponto de serem gastas e até podem ser passadas adiante. A primeira dica de como comprar roupas de bebê baratas é procurar pelas promoções em lojas. Mesmo os estabelecimentos que são conhecidos por venderem trajes mais caros podem fazer ao menos uma vez por ano uma grande liquidação que valha a pena.

Em geral, as promoções ocorrem no final das estações verão e inverno, com os produtos da estação que está terminando. Por isso, o indicado é fazer essas compras um ano antes do bebê chegar ou dele usar, quando estiver mais grandinho. No entanto, mesmo na hora de comprar roupas de bebê baratas é importante que elas sejam de qualidade.

Para os recém-nascidos que possuem a pele mais sensível, é essencial que as peças sejam 100% algodão, assim, previne alergias e irritações. Outra dica para comprar bem e economizar ao mesmo tempo na hora de montar o enxoval é pesquisando as pontas de estoque.

Essas lojas comercializam as coleções passadas e, por isso, são mais baratas. Algumas delas podem ter ainda peças com defeitos pequenos, que também valem a pena.

Mais dicas de como comprar roupas de bebê baratas

Bazares e feiras destinada a quem procura roupa infantil é outra chance que você tem de montar o enxoval do seu filho com qualidade sem gastar demais. As feiras da gestante, bebê e criança, comuns em alguns centros urbanos, como São Paulo (várias cidades e regiões), Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Bahia, reúnem expositores variados.

Por isso, avalie bem o preço e qualidade de cada peça antes de se animar com os preços baixos e sair comprando tudo que ver pela frente. Além de roupas é possível encontrar acessórios e demais itens que mais cedo ou mais tarde terão que ser adquiridos.

Já em São Paulo, existem mais opções de feiras, como é o caso do bazar da Tip Top, que é realizado na Barra Funda. Embora quem possa participar sejam apenas os funcionários e familiares, se sobrarem convites é possível entrar, mas tem que ir buscá-lo na portaria da fábrica.

No dia do bazar também é possível conseguir um convite. Já se você é da família de um funcionário não se esqueça de aproveitar essa oportunidade. Por fim, vale lembrar-se de visitar as regiões de comércio popular que existem em sua cidade. Mesmo nesses lugares é possível comprar produtos de qualidade e por preços muito vantajosos.

O QUE FAZER PARA IDENTIFICAR PERDA AUDITIVA EM CRIANÇAS

O QUE FAZER PARA IDENTIFICAR PERDA AUDITIVA EM CRIANÇAS

São vários os sinais que mostram um determinado nível de surdez nos pequenos. Não é difícil identificar que alguma coisa está errada, mas nem sempre os pais querem admitir o problema. Assim, é preciso estar atento sobre o que fazer para identificar perda auditiva em crianças.

Mesmo pais e mães de primeira viagem podem perceber alguma perda auditiva em seu filho pequeno. Entre os sinais mais evidentes de que é preciso levá-lo ao pediatra está a facilidade de dormir em meio a ruídos altos e a demora da criança em falar as suas primeiras palavras.

O bebê que não responde, mesmo que com o olhar, quando é chamado também pode apresentar algum problema de surdez. Aos quatro meses, em média, para ter uma ideia, o recém-nascido já consegue virar a cabeça quando ouve chamarem o seu nome. Outro sinal de que ouviu é o riso social, ou seja, sorrir quando alguém fala o seu nome.

Se algum problema existe, o pediatra vai encaminhar a criança a um otorrinolaringologista, que vai fazer exames, como o de audiometria, para constatar a perda de audição. Mesmo com perda severa de audição o pequeno pode ter uma vida normal.

Porém, quanto antes a situação for identificada mais fácil será para a criança desenvolver-se adequadamente com o acompanhamento necessário. Além disso, quando a perda auditiva é percebida até os dois anos, há menor dificuldade em aprender a falar.

Mais sobre o que fazer para identificar perda auditiva em crianças

O que fazer para identificar perda auditiva em crianças consiste em fazer o teste da orelhinha, também chamado de triagem auditiva neonatal, que acontece antes do recém-nascido sair da maternidade. É importante dizer que se o exame da orelhinha der positivo isso não quer dizer que o bebê seja surdo.

No entanto, é um indício importante de que é preciso visitar um especialista. É ele quem poderá dizer com mais precisão qual o grau do problema. Se o recém-nascido estiver no denominado grupo de risco é fundamental que o mais breve possível faça o BERA.

Esse segundo exame oferece mais precisão que o da orelhinha para detectar casos de surdez. Mesmo que não seja identificado nada em um primeiro momento, ou caso o bebê por algum motivo não faça o teste – o qual já é obrigatório hoje em dia, em casa mesmo é possível atentar para outros sinais.

Outra forma de saber se o seu filho ouve bem é se ele se acalma ao ouvir a sua voz, de noite, se estiver chorado, por exemplo. Se ele só parar de chorar ao ver a mãe ou o pai ou quando a luz acende, pode ser um sinal de que seja necessária uma visita ao médico.

MITOS SOBRE PESO IDEAL INFANTIL

MITOS SOBRE PESO IDEAL INFANTIL

Embora muitas pessoas achem as crianças gordinhas as mais fofas, a verdade é que os pais devem cuidar da alimentação dos filhos de perto. Para entender quais os mitos sobre peso ideal infantil alguns esclarecimentos se fazem necessários. O primeiro deles é achar que uma criança nunca terá que passar por uma dieta.

Isso é mito sim, pois alguns pequenos não crescem o suficiente para distribuir os quilos acumulados quando eram menores. Mesmo que antes da puberdade seja comum aumentar o peso é apenas um pouco e, por isso, crianças acima do peso precisam iniciar uma dieta o quanto antes.

Isso vai evitar o desenvolvimento precoce de doenças, além de se tornar mais fácil a ela aprender a fazer boas escolhas alimentares. Ou seja, embora a criança possa emagrecer quando crescer, o mais provável é que se ela for obesa desde pequena se torne um adulto obeso. Má alimentação e sedentarismo são os principais auxiliares do ganho de peso excessivo.

Além disso, não são apenas as crianças gordinhas que devem ter uma alimentação equilibrada. Aliás, magreza não é sinal de saúde e, por isso, crianças magras também precisam desde cedo aprender a comer de forma adequada, evitando o mesmo que se indicada a um adulto: alimentos com excesso de açúcar, sal e gordura.

Mais sobre os mitos sobre peso ideal infantil

Assim como ser magra não quer dizer que a criança é saudável, o mesmo serve para as gordinhas. O fato de estar acima do peso não significa necessariamente que o bebê não esteja saudável, ainda mais se ele segue uma alimentação adequada. Além disso, se ele só mama no peito, certamente, é uma criança com saúde.

Mas se o bebê ou a criança está gordinha e, além disso, já tem hábitos inadequados, como ingerir muitas guloseimas, então é preciso fazê-la mudar de atitude. Muitas pessoas acreditam ainda que os pequenos estão livres de algumas doenças, como a pressão alta.

Pesquisas apontam, entretanto, que 60% dos pequenos entre cinco e 10 anos já contam com ao menos um fator de risco para doença cardiovascular. Entre eles, está a pressão alta, colesterol ruim alto, mudança do metabolismo da glicose, hiperinsulinemia, bem como fatores pró-trombóticos.

A qualidade de vida das crianças está em decadência nos últimos anos, em parte, devido à grande oferta de alimentos industrializados, que não oferecem nutrientes apropriados ao seu desenvolvido. Por isso, é mito achar que os pequenos podem comer de tudo e que os pais não devem se preocupar.

Além disso, quando as roupas indicadas para a sua idade não servem mais, é preciso buscar ajuda médica. Quanto antes as medidas adequadas forem tomadas mais fácil fica de ajudar a criança a chegar ao seu peso ideal.

COMO ESCOLHER CADEIRA DE VIAGEM PARA CRIANÇAS

COMO ESCOLHER CADEIRA DE VIAGEM PARA CRIANÇAS

Não é de hoje que a cadeirinha no carro que transporta crianças é obrigatória. A medida é lei e já existem no mercado modelos variados do produto, que deve ser escolhido conforme a idade e peso do pequeno. Por isso, papais e mamães devem saber como escolher cadeira de viagem para crianças.

A lei que exige o acessório nos veículos foi aprovada em 2007, valendo para todo o país. Estudos mostraram que a cadeirinha é realmente útil porque é projetada para segurar as crianças em seus pontos mais resistentes, promovendo assim uma redução na gravidade dos ferimentos em caso de acidente.

A cadeirinha deve ser instalada no banco de trás e basicamente é encontrada em três modelos, sendo que o mais adequado varia conforme o peso e altura da criança que vau usar o acessório. O bebê-conforto, por exemplo, é a cadeirinha destinada aos recém-nascidos, sendo que funciona até que o bebê tenha de 9 kg a 13 kg, conforme o produto.

Certifique-se do peso máximo no manual da cadeirinha. Esse modelo costuma ser reclinado e é instalado de costas para o banco da frente do automóvel, além de contar com cinto de segurança de cinco pontos.

Embora seja prático, pois encaixa em muitos carrinhos e pode ser retirado por completo do carro, a sua desvantagem é o fato de ser usado por um período curto.

Mais dicas de como escolher cadeira de viagem para crianças

Quando o bebê chegar aos 13 kg é preciso que a cadeirinha do carro seja trocada por um modelo maior. Outra dica é adquirir desde o nascimento do seu filho a poltrona reversível, que serve para o recém-nascido até que se torne uma criança com 16 kg ou mesmo até mais, conforme o produto.

Mesmo que não seja tão prático como o bebê-conforto, a sua vantagem é a maior durabilidade. Da mesma forma essa poltrona fica de costas para o banco da frente do carro, uma vez que essa é a posição mais segura para a criança, a fim de proteger o seu pescoço em caso de acidente.

Conta também com o cinto de cinco pontos, mas o cinto do carro também pode ser utilizado. Para tanto, se faz uso de um tipo de banquinho, o assento de elevação, que deixa o pequeno mais alto, sendo que esse acessório pode ser usado por crianças com mais de quatro anos.

Ele pode ter ou não encosto, sendo que com o acessório os danos em caso de acidente são menores. Outro modelo de cadeirinha de carro é a poltrona não reversível, com a diferença que é usada virada para frente e recebe crianças com mais de um ano e com mais de 9 kg.

A criança deve usar a cadeirinha até os sete anos e meio, mais indicado ainda até chegar aos 1,45 m de altura, quando estiver apta para sentar no próprio banco do carro com segurança.

COMO ESTIMULAR A LEITURA NA INFÂNCIA

COMO ESTIMULAR A LEITURA NA INFÂNCIA

O hábito de ler é um dos pontos mais importantes para o desenvolvimento da criança, que não apenas vai adquirir muito conhecimento como também potencializará a sua capacidade de comunicação. Porém, nos dias de hoje, como estimular a leitura na infância parece um desafio para pais e educadores.

No entanto, ainda é possível mostrar aos pequenos que ler pode ser tão divertido quanto jogar games no computador ou brincar com outras crianças. E como todo o hábito deve ser cultivado aos poucos, sendo que se os pais e demais pessoas próximas lerem também será mais fácil do pequeno fazer o mesmo.

Vale lembrar que as crianças começam a ler, em média, aos cinco anos, quando são alfabetizadas. Assim, ao mesmo tempo é preciso incentivá-la a entrar no mundo da leitura, o que vai colaborar ainda para que ela aprenda a ler e escrever mais facilmente e vá bem nos estudos.

É possível ainda se valer do entusiasmo da criança ao aprender a ler, oferecendo livros apropriados, além daqueles que entram na lição de casa. E mais: assim como funciona em diferentes momentos do aprendizado do pequeno é preciso ter uma dose de criatividade.

Mais dicas de como estimular a leitura na infância

Entre as táticas para estimular a leitura na infância as melhores são aquelas em que se associa o hábito de ler com a diversão. Esse, aliás, é um aprendizado que se leva para o resto da vida, ler deve ser um momento prazeroso, seja uma leitura obrigatória para os estudos seja sobre um assunto de interesse pessoal do leitor.

Por isso, a leitura nunca deve ser associada a uma obrigação, nesse caso, o pequeno será levado a acreditar que ler é uma punição. Se isso acontecer, dificilmente ele vai gostar de ler, muito menos será um hábito. Assim, uma dica de como estimular a leitura na infância é mostrar livros à criança, mesmo antes que comece a ler.

Os pais podem ler as seus filhos, mostrando as imagens do livro, com certeza, quando forem alfabetizados vão querer ler as histórias que já ouviram. Hoje em dia, aliás, não existe desculpa, pois os livros infantis são muito variados, inclusive os do tipo pop up, nos quais os desenhos literalmente pulam das páginas.

Os pais e educadores também podem ler os livros de forma lúdica, encenando a história, fazendo vozes diferentes e até mesmo usando fantoches. Já na escola, os educadores podem criar a hora da leitura, para contar histórias de forma criativa.

Lojas, como livrarias, costumam promover esses eventos. Além de levar os seus filhos, os pais podem dizer ao pequeno que escolha um livro, como fosse um brinquedo. Assim, um livro bem colorido e divertido pode substituir outro presente em seu aniversário.

COMO TROCAR A FRALDA DE BEBÊS

COMO TROCAR A FRALDA DE BEBÊS

Papais e mamães de primeira viagem podem se ver apertados em uma série de momentos nos primeiros dias com o recém-nascido. Mas tudo é uma questão de prática e como trocar a fralda de bebês funciona do mesmo jeito. Para facilitar o procedimento é importante que tudo esteja à mão.

Dessa forma, antes de mudar o seu filho, reúna o que vai precisar: fralda limpa, creme protetor, toalha seca e toalhas úmidas. Além de conferir praticidade à troca, vale dizer que o bebê de forma alguma deve ficar sozinho, nem um segundo sequer.

Também é importante que o trocador seja adequado. O melhor modelo é aquele que é alto o suficiente para que os pais não precisem se curvar demais. Caso não se tenha o móvel próprio para a troca, o bebê pode ficar em outro local, desde que seja uma superfície plana e segura.

Depois de tudo preparado, o processo pode começar. O primeiro passo de como trocar a fralda de bebês consiste em colocar o recém-nascido no tocador, com cuidado, de barriga para cima. Retire a sua roupinha da cintura para baixo, remova as fitas autoadesivas da fralda suja, abrindo-a e levante as pernas do bebê para retirá-la.

Se nela tiver coco, é preciso limpar o bebê, para remover o mais “grosso” é possível usar a parte da frente da fralda que está limpa para passar na pele das nádegas. Logo em seguida, abaixe as pernas do pequeno e feche a fralda, dobrando-a e depositando-a no lixo.

Mais dicas de como trocar a fralda de bebês

Depois de tirar a fralda chega a hora de começar a limpar o bebê, o que pode ser feito com as toalhas úmidas. Para evitar infecções não se deve esquecer que quando são meninas, os bebês devem ser higienizados no sentido frente para trás, ou seja, da vagina para o ânus.

Já no caso dos meninos, é preciso limpar bem o seu pênis, sem forçar a separação da glande e do prepúcio, bem como o ânus. Em ambos os casos, é fundamental usar uma toalhinha limpa para passar por todas as dobrinhas da região. Essa higienização deve ser feita de forma suave, sem esfregar, pois a pele do bebê é ainda bem sensível.

Na sequência deve-se passar uma toalha seca, em todos os lugares onde a toalha úmida foi passada. Por fim, é indicado aplicar creme protetor, sendo que ele serve para proteger a pele da região da fralda da umidade, que pode causar assaduras.

É preciso espalhar bem o produto e não é necessário usar em demasia. Por fim, abra a fralda limpa por baixo do bebê, erguendo as suas pernas. Para fechar a fralda é preciso erguer a parte da frente, cobrir as genitais e fazer com que fique alinhada com a parte de trás.

COMO PREPARAR BANHO SEGURO PARA O BEBÊ

COMO PREPARAR BANHO SEGURO PARA O BEBÊ

Dar banho em bebês, ainda mais quando são recém-nascidos, parece algo extremamente difícil. Porém, tomando todos os cuidados necessários e sabendo como preparar banho seguro para o bebê é possível ganhar prática em pouco tempo.

Se o banho for pensando com antecedência, com os pais pegando tudo o que for preciso e arrumando o espaço de forma adequada, então, o banho com certeza será um momento extremamente seguro e não é preciso preocupações.

A organização prévia é importante ainda porque o recém-nascido não pode ficar por um longo tempo no banho para não pegar frio. Os primeiros banhos precisam ser mais rápidos e, por isso, o que primeiro deve ser lembrado é a toalha, que precisa ficar bem à mão.

Além disso, é proibido deixar o pequeno sozinho na banheira, mesmo que por um segundo, pois as chances de se afogar são grandes. Também devem ficar à mão os demais produtos que serão usados durante o banho, sendo que nessa fase não se deve e nem é preciso usar muitos produtos.

Um sabonete de pH neutro e que seja feito exclusivamente para crianças é o suficiente para os primeiros banhos. Outra dica de como preparar banho seguro para o bebê é deixar já preparada e próxima do trocador a roupinha que o bebê vai usar depois do banho, bem como tudo o que é preciso para colocar a fralda.

Mais dicas de como preparar banho seguro para o bebê

Outra dica fundamental é experimentar a água antes de colocar o bebê em contato com ela. O banho deve estar morno, mas lembre-se que os recém-nascidos são mais sensíveis e, por isso, a água deve estar um pouco menos quente do que estaria ideal para os adultos.

Para evitar mudanças de temperatura, é melhor se o ambiente do banho e de vestir o bebê forem o mesmo. De qualquer forma, logo que ele sair da água deve ser enrolado na toalha e colocado próximo ao corpo de quem o está banhando.

Além disso, antes de iniciar o banho, certifique-se de que todas as janelas estejam fechadas e que não há corrente de ar no local onde será o banho e no ambiente onde o bebê será vestido. Esses cuidados valem mesmo nos dias quentes, sendo que o melhor é dar banho nos pequenos entre as 11 e às 15h, pois costuma ser o período mais quente do dia.

Como preparar banho seguro para o bebê consiste ainda nos cuidados referentes à pessoa que vai banhar o pequeno. Ela deve estar com as mãos bem limpas, com as unhas cortadas e sem anéis, pulseiras, relógios e outros acessórios que possam machucar e mesmo atrapalhar a hora do banho.

DICAS PARA PASSAR PROTETOR SOLAR EM CRIANÇAS

DICAS PARA PASSAR PROTETOR SOLAR EM CRIANÇAS

Mais do que a pele dos adultos, a dos pequenos deve ser protegida dos raios solares, por isso, exige produtos de acordo com a sua faixa etária e demais cuidados. Com as dicas para passar protetor solar em crianças é possível evitar queimaduras e outros problemas causados pelo excesso de sol.

A regra serve para todo mundo: a exposição solar deve ser evitada entre as 10h e 16h, sendo que mesmo fora desses horários a criança deve estar sempre protegida. Não apenas com protetor solar, mas também com boné e roupas leves, claras e frescas.

Na praia, é fundamental ainda que o pequeno se abrigue embaixo do guarda sol, sendo que nos horários perigosos o acessório pode não proteger o suficiente. Vale lembrar que nos dias muito quentes, mesmo na sombra, até o mormaço pode queimar.

Além de queimaduras e sardas, a falta de proteção pode causar problemas futuros como câncer, manchas e envelhecimento precoce da pele. Para evitar isso, uma das dicas para passar protetor solar em crianças é aplicar produtos específicos de uso infantil.

No entanto, eles devem ser usados apenas em bebês com mais de seis meses. Antes disso, apenas com orientação médica, pois nesse período a sua pele absorve mais as substâncias e o organismo tem maior dificuldade de eliminá-las.

Mais dicas para passar protetor solar em crianças

A partir dos seis meses o bebê já pode receber em sua pele o protetor solar, sendo que a fórmula mais adequada é aquela que conta com filtros físicos. Essa informação deve estar descrita na embalagem e o seu uso é recomendado até os dois anos.

Crianças com dois anos ou mais podem aplicar o protetor na versão infantil, sendo que os mais indicados são os com fator de proteção de 30. Porém, se o pequeno tem uma pele muito clara é melhor utilizar fator 40.

Também é importante que o produto seja resistente à água e que não arda os olhos. Já na hora de passar o protetor, é melhor que ela esteja sem roupa, assim, nenhuma parte do corpo corre o risco de ficar desprotegida.

É indicado ainda passar em casa o produto, assim, ao sair para a rua o pequeno já estará protegido. E mais: é preciso esperar 15 minutos depois de aplicar o produto para se expor ao sol. Para entrar na água a espera é de 30 minutos, a fim da pele absorver bem o creme.

Não se esqueça de passar o creme em todo o rosto da criança, inclusive, nas orelhas. Se o bebê possui dobrinhas não deixe de contemplá-las também. Uma nova aplicação deve ser feita a cada duas horas e, se estiver na praia ou na piscina, sempre depois que sair da água, mesmo que o produto seja à prova d’água.

O QUE FAZER QUANDO BEBÊ TEM DIARREIA

O QUE FAZER QUANDO BEBÊ TEM DIARREIA

Em alguns períodos da vida da criança é comum que ela esteja mais propícia a evacuar mais vezes por dia, devido a uma série de motivos. Por isso, é essencial que pais e mães saibam o que fazer quando bebê tem diarreia.

Nos pequenos, o problema pode se apresentar de forma líquida ou semi-líquida, sendo que com a diarreia podem vir acompanhados outros sintomas, como vômitos e febre. Os bebês são mais suscetíveis ao problema porque quando se trata de diarreia viral a transmissão ocorre por vírus.

Entre as principais causas estão infecções, uso de antibióticos e mesmo a sensibilidade a determinados alimentos ou quando comem frutas e tomam seu suco em demasia. Por isso, uma das primeiras dicas sobre o que fazer quando bebê tem diarreia é buscar ajuda médica, caso a diarreia durar mais do que três dias, pois isso significa que ela é grave.

Outras razões para levar a criança ao pediatra são: quando a diarreia apresenta mucosidade ou sangue, está acompanhada de cólicas abdominais, além de febre e vômito e se está fazendo o pequeno perder peso ou desidratar. Outro motivo de preocupação é quando a diarreia aparece depois de uma viagem.

Mais sobre o que fazer quando bebê tem diarreia

Quando a criança tem diarreia devido à intolerância à lactose de forma leve e temporal basta mudar a sua dieta, sempre seguindo as recomendações médicas. O mesmo serve quando são outros alimentos que provocaram a diarreia, é preciso que eles sejam temporariamente eliminados do cardápio.

Depois que o bebê melhorar, eles podem ser reintegrados aos poucos a dieta, a não ser que a criança tenha alergia a eles. Além disso, de forma geral, quando a criança tem diarreia o melhor é que ela consuma alimentos mais leves até melhorar totalmente. Evitar as “bobagens” e os alimentos industrializados também ajuda o tratamento.

Alimentos ricos em fibras, embora ajude a evacuar, também permite que as fezes fiquem mais firmes. Porém, melhor do que o suco de frutas nessa hora são as próprias frutas que são ricas em fibras e vão evitar o coco líquido.

Mesmo assim, os líquidos não podem faltar nessa hora, inclusive água, pois o pequeno com diarreia pode facilmente ficar desidratado. Mas em um quadro de desidratação, só água não é suficiente, sendo importante que os pais façam o soro caseiro.

A receita consiste em misturar a cada litro de água uma colher de sopa de açúcar e uma colher de café de sal. Se o bebê estiver sendo amamentação não é preciso parar com o leite materno. Para prevenir, pequenos detalhes fazem a diferença, como lavar bem as mãos antes de manipular alimentos, lavar bem os mesmos e cozinhá-los de forma adequada.